Eles&Elas 306- GLORIA VANDERBILT

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

O SEU BISAVÔ CONSTRUI A MAIOR FORTUNADOS ESTADOS UNIDOS

 

 

Actriz, autora, designer de moda, modelo, pintora, socialite e herdeira de uma enorme fortuna, criada por Cornelius Vanderbilt, seu trisavô e o responsável pela criação dos caminhos-de-ferro e construtor naval, o percurso de Gloria nunca foi simples e facilmente pode ser confundido com o guião de um filme dramático ou com uma peça glamorosa da Broadway.
Nascida durante os Loucos Anos 20, na cidade de Nova Iorque, a pequena fazia parte de uma das famílias mais ricas do país, foram os precursores da rede de transportes, mas se existe algo que só o dinheiro não traz é a felicidade.
Com pouco mais de 1 ano ficou órfã de pai e aos 10 as três mulheres da sua vida foram as protagonistas de um dos julgamentos mais mediáticos do século XX na cidade dos arranha-céus. Foi neste período que foi apelidada de ‘pobre menina rica’, já que a sua guarda e a de um fundo milionário avaliado, aos dias de hoje, em 71 milhões de dólares, foram as principais causas para este caso.
Vanderbilt acabou por ficar com uma tia, já que a mãe tinha sido acusada de ter tido um caso de lesbianismo com um membro da família real britânica, e viveu até aos 16 anos uma vida tranquila que dividida entre a Europa e os Estados Unidos.
A nova-iorquina sempre se moveu com facilidade e leveza, independentemente de onde estivesse. Os salões da alta sociedade para aquela que chamavam de ‘cisne’, já que este animal foi escolhido para ser a imagem da marca de moda que criou nos anos 70, não tinham segredos mas foi junto da arte e dos artistas que procurou o amor que não teve durante a infância.
Em Hollywood, local onde chegou aos 16 anos, teve algumas participações em produções conhecidas, como foi o caso de “Studio One in Hollywood”, mas da passagem pela ‘meca’ do cinema americano destacam-se as amizades com figuras como Truman Capote (acredita-se que tenha servido de inspiração para a personagem Holly Golightly no livro “Breakfast at Tiffany’s”) ou Paul McCartney (que em 1974 lançou o tema “Mrs Vanderbilt” baseado na vida de Gloria).
A juntar-se a um lote de amigos famosos, Gloria Vanderbilt, que em pequena pensou em ser freira, existiram os amores que mesmo não tendo sido eternos foram fortes enquanto duraram.
Casada quatro vezes e divorciada por três ocasiões, o primeiro casamento ocorreu com apenas 17 anos de idade mas ficou marcado por abusos físicos. Esta união, com Pat DiCicco, um agente com ligações ao mafioso Charles “Lucky” Luciano, durou apenas quatro anos.
O divórcio saiu em 1945 e poucas semanas depois, Vanderbilt tornou-se na terceira mulher do conhecido maestro americano Leopold Stokowski, 42 anos mais velho e com quem teve dois filhos (Stan e Christopher Stokowski). O SEU BISAVÔ CONSTRUI A MAIOR FORTUNADOS ESTADOS UNIDOS
REVISTA.

 

 

Novamente sozinha, foi nesta altura que Gloria teve um envolvimento amoroso com Frank Sinatra. Durante o pouco tempo em que namoraram, o cantor fez com que se sentisse a mulher mais importante do mundo. Para além de Sinatra, também se envolveu com Marlon Brando ou o excêntrico milionário Howard Hughes. Os homens mais velhos sempre tiveram um certo fascinio para esta mulher, que aliava a beleza a um porte aristocrático.
Gloria casou-se por mais duas vezes e da união com o seu último e grande amor, o actor e escritor Wyatt Emory Cooper, nasceram Carter e Anderson. Junto do marido e dos filhos era a protagonista de uma família feliz, algo que não teve nos seus primeiros anos de vida, mas esta alegria não durou muito e os desgostos voltaram a entrar na sua vida, primeiro com a morte de seu marido Wyatt e depois com a trágica perda do seu filho Carter o que levou a que a dor e o mistério passassem a inundar o seu olhar.
A década de 70 pode ter sido um período de perda na sua vida mas foi nesta altura, já com 54 anos, lançou uma linha de calças de ganga azuis estilizadas e com bolsos atrás que fizeram furor e se tornaram indispensáveis para qualquer mulher que quisesse estar á moda. Sob a égide da GV Ltd, que fundou em 1976, lançou vestidos, canetas, écharpes, objectos de decoração, blusas, sapatos, acessórios e 8 fragrâncias lançadas, em parceria com a L’Oréal.
Em 1993, Gloria Vanderbilt voltou a ser a protagonista de mais um mediático julgamento, que acabou por vencer e receber uma indemnização de 1.5 milhões de dólares, por parte de um advogado que trabalhava para si e de um psiquiatra.

 

 

 

OS SEUS JEENS AZUIS COM BOLSOS
SÃO SUCESSO ATÉ HOJE

Formada em arte, foi nas telas que pintava que esboçou um mundo que
ambicionava mas nunca terá sido realmente o dela. Conhecida pelo luxo e
a elegância, os seus trabalhos, que foram expostos várias vezes, apresentavam
uma beleza simples. Este traço de mulher vivida levou a que a Hallmark
comprasse parte dos seus trabalhos para decorar artigos de papel.
Os últimos anos da sua vida foram passados a aguardar pelo próximo
amor e a reforçar os laços que a uniam ao filho mais novo, o pivô da CNN
Anderson Cooper. Juntos foram os protagonistas do documentário da
HBO “Nothing Left Unsaid: Gloria Vanderbilt & Anderson Cooper”, onde falaram
sobre tudo o que se passou nas suas vidas fora do olhar do público e
dos meios de comunicação social que tanto a idolatravam e com os quais
ela colaborava regularmente.
O último voo do ‘cisne’ de Nova Iorque deu-se 17 de Junho deste ano de
2019. Gloria Vanderbilt tinha 95 anos e partiu devido a um cancro.

 

 

 

 

Deixe uma resposta